Monthly Archives: November 2016

Falando de solidão…

A solidão é um assunto que aqui acolá permeia o meu mundo. Nesses quase dois anos morando sozinha, ela de vez em quando vem me fazer uma visita, aí eu escolho, a depender do humor do dia, se a convido para um café ou, simplesmente, renego a sua presença e me distraio. 

 

Há quem diga que morar em Brasília (aqui estendendo para o DF como um todo) é um convite à solidão. Justificam dizendo que as pessoas são mais frias, que a vida aqui é mais corrida, que vizinhos não se cumprimentam… Eu, particularmente, não concordo muito com essa afirmação, pelo simples fato de acreditar que se sentir ou não só é algo que depende muito mais de si próprio, do que da presença de alguém a lhe rodear. Quem nunca já se sentiu sozinho mesmo estando na presença de outras pessoas?

Brasília/DF

Brasília/DF

Solidão para mim é estado de espírito e, como tal, nos faz bem ou mal, a depender se administrado ou não com sabedoria.

Eu nunca esquecerei das vezes em que fui a um restaurante e disse ao maitre: “apenas um assento, por favor”; ou de quando fui ao cinema, assisti “O quarto de Jack” e saí em prantos por também nutrir o hábito de falar com meu apartamento ao sair e ao chegar; pelas primeiras e tão marcantes viagem solo, mas essas ocuparão outros posts desse blog. Em breve. :)

Em alguma sessão de cinema solo.

Em alguma sessão de cinema solo.

1ª viagem solo (RJ, junho de 2015). Aqui no topo da Rocinha, durante o Favela Tour.

1ª viagem solo (RJ, junho de 2015). Aqui no topo da Rocinha, durante o Favela Tour.

No Caminho de Santiago - 2ª e maior viagem solo até agora. \o/

No Caminho de Santiago – 2ª e maior viagem solo até agora. \o/

Em Portugal, set/out 2016 - 3ª viagem solo. Salve o bastão de selfie! ;D

Em Portugal, set/out 2016 – 3ª viagem solo. Salve o bastão de selfie! ;D

Road trip solo - nov 2016 Pirenópolis/GO

Road trip solo – nov 2016 Pirenópolis/GO

5ª Viagem solo à Amazônia Brasileira (jan. 2017)

5ª Viagem solo à Amazônia Brasileira (jan. 2017)

 

Quando o violão entrou de vez na minha vida

<3

<3

Não sei bem ao certo quando surgiu o desejo de aprender a tocar violão. Não sei se foi observando os garotos da escola que aqui, acolá, dedilhavam músicas do Legião Urbana nos intervalos de aula ou quando ouvia com meu pai os inúmeros cd’s de Música Popular Brasileira, onde o violão reina quase soberano em meio aos outros instrumentos musicais.

Lembro que esse desejo foi paulatinamente ocupando espaço na minha wish-list. Até que, quando da mudança para Brasília, ao caminhar pelo prédio que viria a chamar de casa, peguei um folheto de propaganda de uma escola de música, a qual está situada na área comercial desse mesmo edifício. Imediatamente, senti uma excitação especial. Sabia que, agora mais do que nunca, dependeria só de mim, ir lá e me desafiar. Foi o que fiz.

Na loja de instrumentos musicais escolhendo meu violão. :)

Na loja de instrumentos musicais escolhendo meu violão. :)

Em maio de 2015, comecei a ter aulas regulares de violão, as quais perduram até hoje. Pensei algumas vezes em dar uma pausa. No entanto, parece que o estímulo de aprender uma nova nota musical te impulsiona a não querer parar.

Não tenho nenhuma pretensão em aprender a tocar violão, além daquela que me traz realização pessoal. Tenho me divertido muitíssimo. Isso é o que importa. Mais um item da lista ticado com orgulho e satisfação. :)

Geração Sonora - minha escola de música

Geração Sonora – minha escola de música

Em público

Em público

:p

:p